JEP 2014 – Alandroal e Évoramonte – RECOMENDAÇÕES

As Jornadas Europeias do Património decorreram conforme o previsto.
Tiveram início no Fórum Transfronteiriço (da responsabilidade de Ricardo Pacífico) com mais de meia centena de participantes e a contribuição de professores de várias universidades – António Borges, António Candeias, Carlos Alho, Teresa Pinheiro-Alves e José Vieira.

Na sessão de abertura a presidente da Câmara, Mariana Chilra, referiu ser o “património monumental do concelho riquíssimo e um gosto receber pessoas que o querem conhecer, estudar e divulgar e para nós é importantíssimo”.
Ouvir Gravação 

Isabel da Veiga Cabral, presidente do Conselho Directivo do Património da AHP- Aldeias Históricas de Portugal, salientou a importância do conjunto monumental do Concelho, que deve ser visto como um marco distintivo. “O património teve o seu passado – um passado histórico glorioso, tem o seu presente, mas tem de ter, necessariamente, futuro”, acrescentou.
Ouvir Gravação 

As actividades foram acompanhadas pelo vice- presidente da Câmara, Daniel Padilha, e a explicação da Fortaleza da Juromenha foi feita por Luís Lobato Faria (Associação Raia Alentejana).

A sessão de encerramento foi realizada em Évora Monte , pela presidente da Junta de Freguesia, Ana Paula Serrano, que conduziu uma visita guiada, tendo a todos impressionado pelo entusiasmo e clareza das explicações.

Fecharam-se as Jornadas com a leitura das seguintes Recomendações ao Governo:

  1. Urge que o governo estabeleça uma estratégia para a cultura que contemple a SALVAGUARDA do Património envolvendo as populações. Restringir o conhecimento e a responsabilidade a um grupo de iniciados, acantonados em instituições, limita a sua eficácia, eleva os custos e alimenta a incompreensão das comunidades.
  2. Importa aproveitar as sinergias das Associações de defesa do Património, envolver mais as escolas e as universidades, cujo programa dos cursos deve privilegiar a salvaguarda do património em detrimento da aprendizagem centrada no novo edificado.
  3. A SALVAGUARDA deve ser entendida e praticada num sentido holístico, em que o humano e o construído se fundem através de acções dinâmicas, que contribuam para o desenvolvimento integrado da sociedade, criando mais justiça social.
  4. É importante lembrar que se aplica ao Património Edificado a Lei de quatro “R” : Restaurar, Reabilitar, Reutilizar  REEDUCAR

Isabel da Veiga Cabral
Presidente do Conselho Directivo do Património

FOTOS: JORNAL RÁDIO CAMPANÁRIO , ANTUNES, CÂMARA MUNICIPAL ALANDROAL, MÁRIO ARTEIRO

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+